sábado, 15 de janeiro de 2011

"Sobre Crianças"

Tão lindas as crianças em sua inocência e sinceridade... Sempre vislumbradas com novas descobertas, e ávidas a questionamentos constantes, que deixam até os adultos mais escorregadios de saia justa.
Sempre com o radar atento a qualquer movimento dos adultos, escutando o que não deveriam e observando até o que não é recomendado. Em busca de novas experiências quase sempre tomadas como influência do meio a sua volta, sem saber o certo , acabam topando nos conceitos pré-estabelecidos dos adultos com consciência elevada, freiando assim toda a capacidade imaginativa do pequeno ser em desenvolvimento.

Crescem e perguntam na mesma proporção...

Nós adultos sempre com receio de que algo aconteça com os pequeninos, criamos justificativas duvidosas para passar algum conhecimento do mundo ao redor. Justificativas que acabam penetrando nos pensamentos dos pequeninos, acostumando-os com as mais fantasiosas desculpas, sempre muito esfarrapadas sobre tudo.
Inventam-se: Cegonha, Papai Noel, Coelho da páscoa, Bicho-papão...
Até ensinamos a criança que quando chove, e se ouve um trovão, é “Papai do Céu” que ta com raiva do que a criança fez... Pode uma coisa dessas? Depois ainda reclamamos quando a criança acorda no meio da noite com medo do “papai do céu”. Ensinamos que o escuro é mau e que tem coisas lá que são feias e gosmentas... Resultado disso? O medo está instalado!

E não há melhor coisa no mundo para assimilar informações do que as crianças...

Sempre sem muita escolha aderem aos ideais dos adultos, que com uma didática de opressão moldam um futuro adulto ignorante, sempre mandando os baixinhos calarem a boca quando questionam algo...
São levadas para a igreja vestidas de anjo, para adorar o mesmo papai do céu que brigou com ela sem motivo algum... Será que papai do céu não viu que crianças na sua inocência tendem a errar bastante? Os pais já de alguma forma introduzem uma crença cega num papai do céu vingativo e que ta espiando tudo e todos lá de cima com um livro na mão anotando tudo.

Na falta de uma melhor maneira de educá-las, usam as escolas... E desde sempre dizem que querem um filho com um bom status na sociedade... Ex:

Pai do Joãozinho: - Joãozinho, você tem que estudar menino! Pra ser algo na vida... [ Pra ser ou pra ter? ]

Joãozinho, talvez com seus 8 anos de idade, passa o dia todo pintando as paredes de seu quarto enquanto canta uma canção de sua banda de rock favorita,ele tem aptidão para ser um artista..

Mas o Pai de Joãozinho quer que ele seja advogado... E as escolhas como ser humano dessa criança? E a vontade de ser algo diferente? Talvez um artista plástico? Um músico?
Talvez ser músico ou artista plástico não dê tanto retorno (R$) quanto o emprego de advogado que o papai quer. A liberdade foi jogada no lixo e as aptidões também.

Os pais sempre muito arbitrários obrigam as crianças a estudar, estudar, estudar. Não há nada pior do que fazer algo que nos é imposto de forma obrigatória. Estudar não é ruim, e sim a forma que obrigamos nossas crianças a estudar e o motivo para estudar... Mais uma vez uma justificativa furada... Pra ser algo na vida. Quer dizer que pra ser alguém digno de respeito tem estudar pra ser rico?

Crianças não querem obrigação mental, religiosa ou social... Elas nasceram livres!
Por medo de vermos nossas crianças sofrerem, criamos uma realidade inventada para limitar a liberdade de infância. Mas e elas o que querem? Simples! Crianças querem sinceridade e amor dos pais, pois entregam de graça as mais sinceras atitudes para com os seus semelhantes, deve-se haver uma reforma na maneira de agirmos, introduzindo nesses pequeninos cérebros a liberdade para uma vida com um sentido mais amplo sobre tudo... Deixando de lado historinhas de lobo mau e bicho papão empoeirando na prateleira mais alta da estante... E ensinando que o mal é simplesmente a ausência do bem, ensinando o respeito a todas as formas de vida, e o amor pelo próximo, mesmo que o próximo não devolva na mesma proporção... Ensinado a pedir perdão pelas faltas cometidas olhando dentro dos olhos da outra criança... Ensinar a não puxar o rabo do gatinho, não jogar pedra no amiguinho, ensinar a não mandar ninguém calar a boca, pois um dos grandes defeitos dos humanos é: Não deixar o próximo ser o que ele deseja ser.

Deixamos de lado todo o poder criativo de nossas crianças, toda liberdade de questionamento, toda magia do aprendizado, transformando tudo num apanhado de coisas sem alegria e sem diversão, acatando a uma vida sem brilho e ofuscando a fluorescência natural desses pequenos seres. Somos uma sociedade espelho de uma criação obscura e limitada, enraizada em preconceitos, sempre prontos para apontar o dedo na cara dos outros e julgar, perdemos o que de mais belo tínhamos quando pequenos...

A inocência e a sinceridade... Pois quando crescemos nos transformamos em seres mentirosos e arrogantes...

5 comentários:

  1. Fala Diegooo, parabéns ótimo post, realmente, o que mais vemos hoje, é justamente isso, um ciclo desde que você nasce, apenas, nasce, estuda para arranjar um emprego, ae estuda mais, depois faculdade e um outro emprego, e não sai disso, cada vez menos observamos pessoas deixando de ser o que queriam por causa de outros, e na maioria das vezes isso começa em Casa, hoje já virou praticamente uma regra, todo potencial da criança vai se esvaindo, e o resultado vemos no hoje mesmo, ao redor, nas atitudes, apenas poucos se libertam deste vício, parabens mais uma vez, tudo de bom e um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Diego, muito bommmmmmm...
    - Perdemos o que de mais belo tínhamos quando pequenos: A inocência e a sinceridade, pois quando crescemos nos transformamos em seres mentirosos e arrogantes...
    - Um dos grandes defeitos dos humanos é: Não deixar o próximo ser o que ele deseja ser.

    Pois é...triste mas sempre tem sido assim...e dureza encontar o caminho da volta...

    É de pequeno que se entorta o pepino...
    Lembra-se deste comum ditado???...pois é, há milênios que assim agimos, mas digo que o que fazemos é entortar mais o pepino e ficamos numa roda sem fim, na mesmice, por gerações e gerações...

    Gosto de viajar por vários universos e sendo assim li o Conversando com Deus...no volume 2, se não me engano, tive orgasmos de felicidade...hehehe...com a maneira que ele coloca a nossa inoperabilidade em educar nossa humanidade e mostra a beleza do ensinar, a qual eu sempre senti como a certa e maravilhosa...ufa, me vi no livro e vibrei...me senti menos doidinha...hehehe...

    Tudo se inicia pelo estudo/aprender, é o start, a ingnição, para um melhor viver e Ser...e tudo começa no Lar e quase que concomitante na escola...e que desastre...

    Deu para perceber o trabalho que dei para meus pais né...e olha que numa época que pouca abertuda existia...hehehe...
    E que mãe me tornei...uia e tome todas as críticas no lombo...melhor levar rindo...
    Mas to Feliz em ter passado o que sinto como certo aos meus filhos...mas num pense que o resultado foi lindo não, pois eles mesmo tendo recebido algo mais real e melhor tem o sistema ao entorno que é forte pacas...e brincando mas ao mesmo tempo falando sério, santo de casa não faz milagres...acho que entendeu né...hehehe...é e agora o resto é com eles...eu apenas observo...como sempre em aprendizado, as vezes o olhar de mãe entristece, mas respiro, retomo e penso; a experiencia é deles...acalmo...bem é isso...
    Precisamos acordar e mudar este estado de coisas que faz nossa humanidade quase eternamente sofredora...parabéns...beijocas

    ResponderExcluir
  3. KKKKKK concordo diego!
    Inocência, sinceridade e crianças! Me lembro da conversa que temos aquele dia sobre esse assunto!
    Amei o post
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Tái uma verdade, nossas crianças são sinceras e amorosas. O problema é qdo tentamos ensina a não machucar o gatinho, não arrancar as flores, respeitar o próximo como ele é, e mesmo assim, continua teimoso que nossa até cansa a gente...rsrs...como fica essa situação.minha filhinha é teimosa, gosta de fazer o que bem entende, e mesmo explicando que é errado tais atitudes, ela ainda teima...rsrs.. todos falam da onde arranjo tanta paciencia...rsrs...estou aos poucos tentanto tirar o medo dela, mas está muito dificil, tem alguma dica aí?rs...e outra coisa, o que acontecerá com nossas crianças qdo deixarem seus corpos físicos e se por serem inocentes, acabarem indo pro lado errado, ou elas saberão o que fazer??dúvidas, dúvidas..rs bjos..bell

    ResponderExcluir
  5. Olha isso tb me fez lembrar minha mãe, sempre tentando me moldar a ser o que ela queria que eu fosse, sempre dizendo que estude menina,seja alguém na vida, nossa, e vivia falando que meus desenhos não levariam a nada, sempre me deixando insegura sobre a vida, e de certa forma triste, pois eu queria ser o que eu queria ser,queria fazer o que qeria fazer, e minha mãe pegando até hoje no meu pé, como se não estivesse satisfeita sobre o que sou, e vou falar, não estou feliz, queria estar em outro lugar, mas está droga de sociedade é um saco, tem que ter isso, aquilo, e principalmente dinheiro, aff...tem dias que almadiçoo quem inventou o dinheiro..rsrs...e tudo que qero ser é livre, ser quem sou, e todos em cima de mim me chamando de louca, doida, que tenho que arranjar um emprego pra passar o tempo, mas as vezes penso,e fico triste por eles, mesmo que eu comente sobre o que está acontecendo no mundo e no universo, me chamam de doida, que estou enlouquecendo, no momento não posso fazer nada, pois não querem ver, não querem acordar. Todos amigos que tinha, sumiram, acham que estou doida, o que as vezes me faz me sentir um pouco sozinha, mas as vezes deixo pra lá, e perco o meu tempo estudando e pesquisando.

    ResponderExcluir